IF Baiano
PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO




Informe – Infográficos da PROPES
Última atualização: 14/12/2017 - 9:21 horas | Data de publicação: 14/12/2017 - 9:21 horas

PROPES publiciza informações referentes aos projetos de pesquisa e de pós-graduação do IF Baiano

Tendo em vista a necessidade de estimular, consolidar e fortalecer a pesquisa no IF Baiano, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação (PROPES) vem empreendendo esforços através do apoio e do incentivo à comunidade acadêmica, a fim de aumentar a produção e a maturidade científica dos servidores e estudantes.

Para isso, a PROPES, desde 2011, tem estimulado a inserção da comunidade acadêmica em atividades de Pesquisa e de Pós-Graduação, por meio do fomento interno para servidores e estudantes desenvolverem e executarem projetos de pesquisa (Figura 1).

gráfico2

Figura 1. Relação entre o orçamento disponibilizado para a PROPES e o número de projetos desenvolvidos no período de 2011 a 2016.

A seguir, são listados alguns programas que são lançados anualmente para o apoio e o incentivo a estudantes e docentes através de bolsas (Figura 2) e a servidores/pesquisadores através de taxa de bancada para realização e condução de projetos de pesquisa:

– Programa de Bolsas de Iniciação Científica (CNPq – PIBIC);
– Programa de Bolsas de Iniciação Científica Júnior (CNPq – PIBIC-EM);
– Programa de Bolsas de Iniciação Científica (FAPESB – PIBIC);
– Programa Institucional Voluntário de Iniciação Científica (IF Baiano – PIVIC);
– Programa Primeiros Projetos (PPP);
– Programa de Apoio à Pós-Graduação (PROAP) e
– Programa Institucional de Bolsas de Estímulo à Produtividade Docente.

gráfico3

Figura 2. Número de bolsistas vinculados a Projetos de Pesquisa fomentados pela PROPES no período de 2011 a 2016.

Através das Chamadas Internas e dos Programas listados anteriormente, o IF Baiano destina aos pesquisadores recursos que variam de R$ 1.000,00 (mil reais) até 15.000,00 (quinze mil reais) por proposta aprovada, somente com apoio interno. No último ano, esses recursos mobilizaram cerca de 300 (trezentos) Projetos de Pesquisa Aplicada, projetos esses que mobilizam e efervescem o despertar crítico e científico dentro da instituição.

Para realizar a divulgação da sua produção técnica, científica e cultural, o IF Baiano promove anualmente, na Semana de Ciência e Tecnologia, a Mostra de Iniciação Cientifica (MIC) que, este ano, teve realizada sua quinta edição (http://5mic.ifbaiano.edu.br/) e, pela primeira vez, aconteceu em conjunto com o I Seminário de Pós-Graduação (SPG) do IF Baiano. A quinta edição da MIC contabilizou, nos anais do evento, mais de 200 (duzentos) artigos técnico-científicos, mais os 70 (setenta) artigos completos apresentados no SPG.

O Programa de Iniciação Científica (PIBIC) da Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação do IF Baiano tem apoiado o desenvolvimento de projetos de pesquisa no âmbito do IF Baiano, através da concessão de bolsas a estudantes do ensino médio técnico e da graduação integrados a projetos de pesquisa científica. Essas bolsas são advindas tanto de recursos internos quanto de agências de fomento, como CNPq e FAPESB. Cada estudante bolsista recebe, num período de12 (doze) meses, uma bolsa de R$ 400,00 (quatrocentos reais), para estudantes de graduação e de licenciatura, e de R$ 100,00 (cem reais), para estudantes de nível médio técnico.

Em 2016, foram submetidas 4 (quatro) propostas para renovação e ampliação das cotas de bolsas do CNPq (Chamada PIBIC 2016/2018, Chamada PIBITI 2016/2018, Chamada PIBIC-EM 2016/2018, Chamada PIBIC-AF 2016/2018), sendo que, a partir da aprovação dessas chamadas, houve aumento de 60% do número de bolsas do PIBIC-EM do CNPq.

O Programa Institucional de Bolsas de Estímulo à Produtividade Docente repassa para os docentes uma bolsa mensal no valor de R$ 750,00 (setecentos e cinquenta reais), sendo que esse programa tem por objetivos estimular a produtividade acadêmica no âmbito institucional (i); incentivar docentes doutores(as), mestres e especialistas, em todas as áreas do conhecimento, a fomentarem a indissociabilidade das atividades de ensino, pesquisa e extensão (ii); possibilitar a geração do conhecimento, de forma a atender às necessidades e interesses da sociedade (iii); promover a criação de materiais didáticos, artigos, produtos e/ou processos inovadores (iv); contribuir para a formação qualificada dos discentes em todos os níveis do IF Baiano (v); estimular a captação de recursos financeiros oriundos de editais externos (vi) e fortalecer os arranjos produtivos dos territórios, mediante diálogo com a comunidade (vii).

No ano de 2014, foi submetida a primeira proposta de mestrado do IF Baiano, para apreciação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), através do Aplicativo de Proposta de Cursos Novos (APCN), e essa proposta foi aprovada, dando início à criação do primeiro programa de mestrado do IF Baiano (Mestrado Profissional em Produção Vegetal do Semiárido), ofertado no Campus Guanambi. Observa-se, na Figura 3, a evolução do número de APCNs submetidas à CAPES e o número de mestrados em funcionamento entre os anos de 2011 e 2016.

gráfico4

Figura 3. Evolução do número de APCNs submetidas à CAPES e do número de mestrados em funcionamento.

A oferta do Mestrado na instituição gerou uma grande expectativa da comunidade, principalmente, onde os Campi estão inseridos, sentindo-se eles motivados e apoiados nessa demanda social. Grupos de docentes/pesquisadores mobilizaram-se junto à PROPES e submeteram 5 (cinco) APCNs em 2016 (Quadro 1), sendo estas rejeitadas pela CAPES, apesar de duas delas terem sido bem avaliadas (Agroecologia e Educação Científica).

Proposta

Área de avaliação da CAPES

Agroecologia

Ciências Agrárias I

Tecnologia Social Aplicada aos Agroecossistemas

Ciências Agrárias I

Produção Animal Sustentável

Zootecnia / Recursos Costeiros

Ciência e Tecnologia de Alimentos

Ciência de Alimentos

Educação Científica

Ensino

Quadro 1. Propostas de APCN submetidas no ano de 2016.

Naquela ocasião, foi identificado, pelos avaliadores da CAPES, que o corpo docente era muito jovem e com pouca maturidade e experiência na formação de recursos humanos. Para melhorar os indicadores desse quesito, o IF Baiano lançou, em 2016, uma Chamada Interna para estimular a criação de cursos de pós-graduação lato sensu. Dentre os objetivos da criação desses cursos, podemos destacar o aumento do número de orientações dos nossos docentes, bem como da quantidade e da qualidade das suas produções científicas. A partir dessa iniciativa, o IF Baiano, que ofertava 5 (cinco) cursos de especialização, ampliou esse número para 16 (dezesseis), conforme a Figura 4.

gráfico5

Figura 4. Evolução do número de cursos de pós-graduação lato sensu no IF Baiano no período de 2011 a 2016.

Com o aumento dos cursos de especialização e a participação efetiva dos docentes, criou-se a necessidade da realização do I Fórum de Coordenadores de Pós-Graduação do IF Baiano, que ocorreu entre os dias 31 de agosto e 1º de setembro de 2017. Esse Fórum teve como objetivos discutir ações e políticas de pós-graduação a serem desenvolvidos pelo IF Baiano nos próximos anos, bem como possibilitar a troca de experiências e discussões dos coordenadores e professores dos 16 cursos lato sensu (especialização) e do curso de mestrado ofertado no IF Baiano, com vistas ao oferecimento e ao aperfeiçoamento de novas propostas de cursos de pós-graduação, incluindo os cursos de Mestrado.

Logo em seguida à realização do Fórum, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação teve aprovado o segundo curso de mestrado do IF Baiano, através da adesão do Campus Catu ao Programa em Rede de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT).

A expectativa é que, nos próximos anos, o número de vagas disponibilizadas em cursos de pós-graduação stricto sensu ofertadas pelo IF Baiano (Figura 5) seja ampliado, em virtude da criação do ProfEPT e da submissão de uma APCN em Ciências Ambientais, feita no último dia 31 de outubro de 2017.

gráfico6

Figura 5. Evolução do número de vagas disponibilizadas em cursos de pós-graduação stricto sensu ofertadas pelo IF Baiano no período de 2011 a 2016.

gráfico7

Figura 6. Evolução do número de vagas disponibilizadas em Cursos de Pós-Graduação lato sensu ofertadas pelo IF Baiano no período de 2011 a 2016.

O número de vagas disponibilizadas em cursos de Pós-Graduação lato sensu (Figura 6) ofertadas pelo IF Baiano, no período de 2011 a 2016, é distribuído entre os cursos listados a seguir:

1.

Desenvolvimento Sustentável no Semiárido – Campus Senhor do Bonfim;

2.

Educação Científica e Popularização das CiênciasCampus Catu;

3.

Inovação Social com Ênfase em Economia Solidária e Agroecologia – Campus Bom Jesus da Lapa e Campus Serrinha;

4.

Educação do Campo – Campus Bom Jesus da Lapa e Campus Serrinha;

5.

Ensino de Ciências Naturais – Campus Teixeira de Freitas;

6.

Ensino de Ciências Naturais e Matemática – Campus Governador Mangabeira, Campus Guanambi e Campus Itapetinga;

7.

Linguagens, Produção Textual e Estudos Culturais – Campus Governador Mangabeira;

8.

Educação Matemática – Campus Bom Jesus da Lapa;

9.

Metodologia Científica – Campus Governador Mangabeira;

10.

História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena – Campus Governador Mangabeira;

11.

Educação Científica e Cidadania – Campus Uruçuca;

12.

Leitura e Produção Textual Aplicadas à Educação de Jovens e Adultos – Campus Valença e Campus Itapetinga;

13.

Desenvolvimento Regional Sustentável – Campus Uruçuca;

14.

Ensino da Matemática – Campus Valença;

15.

Metodologia do Ensino de Química e Física – Campus Senhor do Bonfim;

16.

Ciência e Tecnologia de Alimentos – Campus Uruçuca.

Apesar de serem ofertados 16 (dezesseis) cursos, o número de turmas ofertadas é de 21 (vinte e uma) porque cursos ofertados em mais de um campus.

A Figura 7 apresenta a evolução do número de pedidos de patentes depositadas junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) no período de 2011 a 2016. Percebe-se que o número de depósitos aumentou consideravelmente, criando-se, assim, uma expectativa de que, nos próximos anos, com a evolução dos cursos de pós-graduação e com a estruturação do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), esse número eleve-se ainda mais.

gráfico8

Figura 7. Evolução do número de pedidos de patentes depositadas junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) no período de 2011 a 2016.

Pode-se destacar também outras ações relevantes nos últimos anos:

1. Concessão de Bolsa do Novo Prodoutoral da CAPES: o IF Baiano foi contemplado com a concessão de 3 (três) cotas de bolsas de doutorado e de 3 (três) cotas de auxílio-moradia, pela CAPES, por um período de aproximadamente 16 (dezesseis anos), e figurou entre as instituições do país que mais receberam bolsas deste programa de apoio à formação de recursos humanos, em nível de doutorado;

2. Convênio DINTER (IFBaiano-UFRB): após intensa mobilização promovida pela PROPES ao longo dos meses de abril e maio de 2014, com vistas ao levantamento de demandas dos servidores do IF Baiano por qualificação em nível de mestrado e doutorado, o projeto de doutorado em Ciências Agrárias, na modalidade DINTER, desenvolvido em parceria com a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), foi aprovado pela CAPES. O curso de doutorado a ser desenvolvido pela UFRB, como instituição promotora, e pelo IF Baiano, como instituição receptora, prevê 10 (dez) vagas para servidores do IF Baiano e teve início no ano de 2015, encontrando-se sob a coordenação da professora Drª Carla da Silva Sousa;

3. Captação de recursos externos: os docentes/pesquisadores aprovaram várias propostas e projetos em editais e chamadas de agências de fomento à pesquisa e à extensão em nível estadual e nacional (FAPESB, CNPq, CAPES e FINEP). A soma dos valores aprovados gira em torno de 7 (sete) milhões de reais;

4. Programa de apoio à participação de servidores em eventos: a Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação, em parceria com a Pró-Reitoria de Extensão e com a Diretoria de Gestão de Pessoas, vem implementando o Programa Institucional de Incentivo à Participação de Servidores do IF Baiano em Eventos Científicos, Tecnológicos, de Inovação e de Extensão, cujo objetivo é custear diárias e passagens para servidores com trabalhos aprovados em eventos técnico-científicos no território nacional.

Print Friendly