Matemática e Ciência são demonstradas de forma prática na V MIC

20171025_104036“Qual o número do seu telefone?” Com essa pergunta, Airon Miranda, estudante do IF Baiano, surpreendia o público da V Mostra de Iniciação Científica – MIC. Através de um jogo de combinações numéricas, com quatro cartas numeradas de 1 a 63, o estudante aprendeu com os participantes do Programa Ciência Itinerante a adivinhar o número de telefones das pessoas que visitavam a MIC. “São cartinhas amaldiçoadas”, brinca. “Cada carta está relacionada com a outra. Podemos descobrir telefone, RG, CPF. Tudo que envolve números. A matemática está em tudo”, afirmou.

É através do Programa Ciência Itinerante que estudantes apresentam diversos experimentos, tais como: cama de pregos, experiências com fogo, brinquedos interativos e estandes de diversas áreas do conhecimento em feiras de ciências, praças e outros locais públicos.
(mais…)

Leia Mais

Estudantes apresentam trabalhos científicos e relatos de experiência na V MIC

DSC_7751Mais de 250 projetos foram apresentados durante a realização da V Mostra de Iniciação Científica (MIC) do IF Baiano. Nesta edição, foram agregados ao evento três seminários: de Iniciação em Extensão, de Pós-graduação e o Seminário de Pesquisa, Extensão, Inovação e Cultura do Território do Sisal.

Para o Pró-reitor de Pesquisa e Inovação, Delfran Batista, ampliar o evento é uma ação inevitável que vem junto com o crescimento do IF Baiano desde sua primeira MIC. “A maturidade institucional em relação a pesquisa e tecnologia, a consolidação da indissociabilidade de seus pilares, o aumento dos cursos de pós-graduação e as ações de extensão. Tudo isso gera novos produtos que precisam ser publicizados para sociedade”, afirmou. (mais…)

Leia Mais

Educação de Jovens e Adultos: professora fala sobre esta oferta no IF Baiano

O IF Baiano está com inscrições abertas, até 7 de novembro, para o processo de ingresso de estudantes em cursos técnicos do Proeja. São 155 vagas para os cursos técnicos, da forma de articulação integrada ao Ensino Médio, em Cozinha (em oferta nos campi Governador Mangabeira e Catu), Informática (Campus Guanambi) e Agroindústria (Campus Serrinha).

Para tratar sobre a oferta, a professora e diretora acadêmica do Campus Serrinha, Neyla Reis Silva, mestre em Educação de Jovens e Adultos, fala sobre o sucesso do curso de Cozinha, no Campus Catu, e sobre a pedagogia da alternância, metodologia que será aplicada no curso de Agroindústria. (mais…)

Leia Mais

Estudantes ganham prêmio em evento sobre Rede de Computadores

premio_estudantes_ads_catuOs graduandos de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS), Nilvan Santana e Ueslem Pereira, do Campus Catu, foram premiados na 15ª Escola Regional de Redes de Computadores – ERRC 2017, pela apresentação do artigo “Análise de estratégias que fazem uso de informações da estrutura topológica para o posicionamento de nós regeneradores em Redes Ópticas Translúcidas”. O trabalho será publicado na Revista Eletrônica Internacional Argentina-Brasil de Tecnologias da Informação e da Comunicação (REABTIC).
(mais…)

Leia Mais

IF Baiano lança aplicativo sobre cuidados com as águas a partir de narrativas indígenas

Fruto dkiririe um ano e quatro meses de pesquisa, foi criado um aplicativo sobre cuidados com as águas a partir das narrativas dos índios Kiriri. O projeto, denominado Tec-Iara, foi fomentado pela chamada nº 18/2015 da Agência Nacional das Águas e Capes e consistiu no levantamento das narrativas dos povos indígenas do Território Semiárido Nordeste II, pelo Grupo de Pesquisa e Estudos em Lavouras Xerófilas (IF Baiano/CNPq).

Por meio de jogos didáticos eletrônicos e jogos como quebra-cabeças, abordando temas como o ciclo hidrológico associado à conservação dos solos, produção em sistemas agrícolas agroecológicos e uso racional da água para população humana e animais, o aplicativo foi desenvolvido para atender a educação do campo, especialmente jovens do Ensino Básico na Caatinga e na Mata Atlântica na Bahia, em especial, nas Escolas Indígenas.

Participam também do processo de pesquisa, os estudantes Janderson Guirra e Roberta Rocha, da Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Semiárido, ofertada pelo IF Baiano – Senhor do Bonfim.

História e Cultura

Além de informações científicas, o app traz a narrativa da Cobra Grande que remonta a história dos Kiriris, que viviam numa região onde havia três lagoas. De acordo com a narrativa, essa cobra teria cerca de 6 km e saia das áreas mais altas para boiar sobre as águas. Algumas pessoas viam o “Encantado das Águas”, outras não. A narrativa gerava, na comunidade, um respeito pelo ser e pelo local.

DSC06592-1 (2)A cultura indígena não tem a nossa normativa de leis. Então, são estas narrativas que conduzem às práticas que vão determinando como é os cuidados com as águas, com a fauna, a questão da caça, e vão estabelecendo como se dá esta relação entre o homem, que está localizado naquela região, sua cultura e o meio ambiente”, pontua o professor Aurélio Carvalho.

Outro paralelo entre a narrativa e a história dos Kiriris, é a retomada dos rituais antigos e a retomada da terra. “Participaram da Guerra de Canudos e no retorno da guerra, o território deles estava ocupados por não-índios. Então, eles ficam margeando o território deles”, rememorou Carvalho.

Conforme o professor, há dez anos, não há mais água, na região onde se encontrava as lagoas do Território Kiriri. A perspectiva do jogo é recuperar a narrativa e despertar para recuperação das lagoas. “A recuperação é possível, através de desassoreamento, que é mecânico, e junto com eles, um trabalho de revegetação, de cuidado em relação ao tipo e a forma que vai se plantar”, afirmou Aurélio.

Identidade

Um outro ponto que o professor Aurélio chama a atenção é a necessidade de desconstruir o estereótipo de índio. Para ele, o índio que a escola básica traz é aquele de 1500, não é o índio contemporâneo, que tem contato com mundo não-índio e tecnologias. “Eles têm celular e nem por isso deixaram de ser índios. Não é porque você tem contato com outro povo que não é o seu, você deixa de ser aquilo que você é. É uma identidade que se renova”, constatou.

O grupo de pesquisa esteve nos território indígenas Tupinambá, Kaibé e Kiriris, que foram escolhidos para o desenvolvimento do trabalho em razão da narrativa da Cobra Grande e do assoreamento de seus mananciais. Os Kiriris se dividem em várias facções, mas o contato maior do grupo foi com uma das facções mais antigas da região, liderada pelo Cacique Lázaro.

No processo de aproximação cultural, o professor observou que a influência das drogas sobre os jovens indígenas não é tão forte, como em outras comunidades em situações de vulnerabilidade. “Essa identidade cultural os fortalece e os torna, relativamente, imunes a este tipo ataque externo. Isso é um processo muito interessante e notório em Serra do Padeiro, com os Tupinambás e também com os Kiriris”, disse.

Desafios e perspectivas

app_kiririO aplicativo está disponível no Google Play para download gratuito. Para Aurélio, a criação do app traz a possibilidade de diálogo entre os cursos de informática e da área das agrárias no IF Baiano e ressalta que o aplicativo não está pronto e acabado, mas trata-se de uma proposta inicial que poderá ser aperfeiçoada, inclusive para contemplar outras narrativas e aplicar em mais escolas do Território. Há ainda a expectativa de apresentar o projeto, em 2018, no 8º Fórum Mundial das Águas, em Brasília.

Aurélio também enfatizou a missão institucional de atender essas comunidades e as demandas dos Territórios de Identidade. “Eles tem necessidades de cursos e precisamos pensar como atender a essas comunidades. São coisas a médio e longo prazo para o Instituto responder e função da extensão: ver a problemática que se tem, trazer para pesquisa e para o ensino. Há necessidade de, organicamente, estarmos próximos desse grupos, entrar nessas comunidades, caminhar para fortalecimento da agroecologia e do Instituto junto a essas populações que mais carecem da ação do Estado”.

Baixe o app Kiriri no Google Play

Saiba mais: http://www.kiriri.com.br/

Fotos: Arquivo pessoal de Aurélio Carvalho e Print de tela do aplicativo

Leia Mais