Consciência Negra: as vozes do IF Baiano

consciencia-negra-blog-1

Comunicação, moda, culinária, música, arte, cultura, justiça, igualdade, educação, uma causa. Tendo como marco o dia 20 de novembro (morte de Zumbi dos Palmares), o mês é de reflexão sobre a posição do negro hoje: ressignificar posições, reconhecer a igualdade, a representatividade, autoestima. Trata-se de saber quem você é.

E foi para te ouvir que o IF Baiano lançou a campanha “Consciência Negra: Vamos ouvir essa voz”, com a participação de personalidades negras da Bahia que reafirmaram a sua posição no mundo, através de trabalho e engajamento em suas áreas de atuação. Participaram da campanha, a cantora Margareth Menezes, a cozinheira Lilian Almeida, a estilista Najara Black, a jornalista Maíra Azevedo, a diretora administrativa do Instituto de Mídia Étnica, Luciane Neves, o ator Pisit Mota, o vereador Silvio Humberto e o publicitário Paulo Rogério.

A voz que o IF Baiano quer ouvir é como nossos estudantes e comunidade exercem, refletem, atuam e promovem sua consciência enquanto cidadão negro, que pode se manifestar de várias formas, seja no cabelo, na roupa, seja na defesa de uma causa. O mais relevante é que independente de qual seja essa voz, ela é uma via de empoderamento, resistência e luta, deixando de lado o lugar-comum e o viés de coadjuvantes para nos colocarmos como personagens principais de nossa própria história”, afirmou Cássia Costa, relações públicas do IF Baiano.

A voz da educação

O apelo da campanha é universal. Convoca o público para que se expresse e amplie seus horizontes sobre ser bem sucedido nas suas escolhas profissionais, pois, como disse a cantora Margareth Menezes, “suas qualidades, seus sentimentos, suas capacidades, independem da cor da pele”. A educação muda as pessoas e as pessoas mudam o mundo, como lembra Paulo Freire. Transforme o ato de estudar em um ato político”, afirmou Silvio Humberto, vereador e presidente da Comissão de Educação da Câmara de Salvador, em mensagem direcionada para os estudantes, na campanha.

Já a Assessora de Diversidade de Inclusão do IF Baiano, Jordânia Medeiros, comentou que as personalidades que participaram da campanha são exemplo de sucesso pessoal e profissional e levantar o tema para o protagonismo e autonomia do negro é papel do IF Baiano. É necessário discutirmos questões essenciais como o reconhecimento do racismo, empoderamento e inclusão para superar a desigualdade racial na educação. O espaço escolar reproduz ainda as questões raciais e discriminatórias da nossa sociedade, mas também é o lugar de superação destas questões”.

Múltiplas Vozes

O coordenador de Comunicação, Vinícius Almeida, lembrou da adesão que a campanha gerou nas Redes Sociais. “O foco foi superar o padrão transmissor-receptor da mensagem. Tentamos fazer com que os receptores também se expressassem, dizendo qual era a sua voz e qual a forma de expressão da sua identidade, e foi o que aconteceu nas nossas redes sociais”, afirmou.

Já o publicitário, Welton Nogueira, destacou a necessidade de conhecer a realidade da população negra: de luta, resistência contra o preconceito, contra a falta de políticas publicas. “E, como podemos concluir da campanha, temos várias vozes, cada uma com timbre próprio, fazendo o grande coro da consciência negra. Pude perceber que eu mesmo precisava ouvir essa voz. Nós do IF Baiano precisamos. Todos precisam. E acredito que não para por aí. Há muitas vozes a serem ouvidas”.

Confira os vídeos: Consciência Negra: Vamos ouvir essa voz

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *